quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Rua de desgostos

Contemplo
O meu lixo
Casimiro de Brito, in Subitamente o silêncio

Leio um título – recorrente; diga-se –, numa certa imprensa (Guimarães atrai cada vez mais turistas) e olho para o meu último sábado passado ali no Campo da Feira (já tinha saudades, caramba!, vivi ali trinta anos). Adorei a esplanada, como sempre, mas fiquei com pouca vontade voltar lá, para ficar na esplanada.
Porquê?
Ora!, para além do cheiro a cozinha dos autocarros (ditos) citadinos, o barulho, o fedor a gasóleo queimado pelos autocarros à espera de grupos (quase tudo gente idosa, não sei porquê) de pessoas – feitos cordeirinhos controlados, desde lá de cima da colina sagrada – por placas sempre em riste com as numerações e palavras muito altas dos donos das ditas –, sítio onde foram largados para descer no tal percurso ‘histórico’ – para entrarem nos autocarros, já fumegando à sua espera, para irem almoçar a Braga; até ouvi o nome de um dos restaurantes e tudo, mas não faço publicidade a quem não é de cá.
Que mania de nos tentarem dizer que Guimarães atrai cada vez mais turistas estrangeiros!

Sem comentários: