sábado, 19 de setembro de 2015

Há quem viva da amargura. E goste

Os beiços negros de sarro começaram a soltar-se, as palavras aclararam-se, mais brandas, mais seguras.
José Cardoso Pires, O Hóspede de Job
Já sei – já escrevi que gosto das Taipas; do seu romantismo, que me leva à minha infância, mas estou a ficar farto de umbigos gordos e vaidosos que por ali pululam, pretendendo fazer dos outros vimaranenses uns bananas!
Sim, sei muito bem que em Santa Clara o bom senso conquistou os vimaranenses!
Sim, também sei que das Taipas há desejos estranhos a destruir as realidades e as normalidades que sempre projetaram Guimarães.
Será que está a chegar a hora de ter que mandar às urtigas o romantismo que me pôs a gostar de Caldelas; das Taipas?

Sem comentários: