segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Esquecer a distância do céu

E os céus parecem desertos e vazios
sobre as cidades escuras
Sophia de Melo Breyner Anderson, in o Homem (Contos exemplares)
1. “O Centro Cultural Vila Flor começa hoje a comemorar uma década de vida, condicionado por constrangimentos financeiros que o têm fragilizado nos tempos mais recentes. O lugar que colocou a cidade no mapa é hoje motivo de preocupação”. Começa assim, o excelente texto que o jornalista Samuel Silva assina no Ípsilon de sexta-feira, dia 4.
Trata-se, infelizmente para todos os vimaranenses que gostam de Guimarães, de uma realidade triste para Guimarães. Para mim, vimaranense sempre preocupado com as coisas cá terra, faz-me doer por dentro; muito, saber que há quem queira apagar Vila Flor.

2. Ao ler as palavras do diretor-executivo de Vila Flor, Frederico Queiroz - é aqui que entra o problema criado pela lei 50/2012” -
constantes do trabalho jornalístico, percebe-se a razão de ser da preocupação. Logo vi que tinha que existir um corpo estranho na dinâmica daquela casa de excelência na minha terra. Ui! É aquela treta do setor empresarial do estado? Então já se percebe quase tudo.
Que raio de lei esta, saída das mãos do governo de Pedro e Paulo – que, curiosamente, nem uma palavra merece dos seus correlegionários em terras de D. Afonso – é esta? (ou então merece; como sempre; sabendo - porque sabem -, gostam do espectáculo das perguntas para jornalista nas reuniões de câmara, sobre o que disse o governo.

3. E se a dissolução das cooperativas lançar no desemprego tantos trabalhadores? Ainda bem que Domingos Bragança, na última reunião do executivo municipal, foi claro: “não contem comigo para isso; não farei isso”.
Lendo com atenção a peça jornalística do Ípsilon importa reter – porque continua a ser verdadeira – a afirmação de Rui Dias, responsável da editora vimaranense Revolve!: “há uma Guimarães antes do Centro Cultural Vila Flor e outra Guimarães depois do Centro Cultural Vila Flor”.

4. Ou seja, dez anos de vida em Vila Flor são uma excelente celebração da novidade, da criatividade e da promoção em terras vimaranenses. Algo, que terá produzido pruridos em pessoas da mesma área de umas outras que, noutros tempos, punham em causa, por exemplo, o estádio do Vitória. Alguém se lembra?

5. Parabéns Vila Flor! Obrigado. Imensas horas de prazer cultural por ali já pude usufruir.
Claro que quero mais; faz favor!

Sem comentários: