segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Elevador da existência

Todos somos mais ou menos manipulados, trocando afetos por comportamentos que nos são mais confortáveis.
José Gameiro, E, 15.09.19
Recuando no tempo: o nacionalismo político-jurídico nasceu racista e é racista. O direito construiu-se na ideia desta pertença à comunidade e como instrumento de gestão das relações dentro da comunidade e entre cominardes, pode ler-se no editorial dos cadernos SOS Racismo, nº5
No nosso tempo: Onde é que está a tão propalada solidariedade europeia? Faltam acordos e vozes como a de [António] Guterres, alto comissário da ONU para os refugiados, escreve Bernardo Ferrão no Sobe, Expresso do último sábado.
De encontro à opinião do professor da universidade católica de Lovaina, na Bélgica, Paul De Grave: os argumentos morais deveriam ser suficientes para manter as nossas fronteiras abertas, pode ler-se no semanário Expresso (Economia) de sábado passado.
Recuando (outra vez) no tempo: A Cartade Lampedusa assume-se como um momento político em que os migrantes, mais do que números de uma sinistra contabilidade macabra da gestão geopolítica da imigração, se tornam sujeitos políticos e atores reais das políticas migratórias numa lógica da rutura com a ideologia mercantilista e utilitarista que os reduz apenas a números (in cadernos SOS Racismo, nº5).
Em suma, a Carta de Lampedusa, que defende a liberdade de circulação, garantindo que estes direitos se manterão na esfera dos direitos e, assim, inalienáveis e inegociáveis; sendo que a fronteira, mais do que a realidade geográfica, é uma construção politica, defende aberta e categoricamente as fronteiras, as simbólicas e as físicas, as sociais e as culturais, as jurídicas e as politicas.
Recunhado (ainda mais) no tempo: Diz Pedro Bacelar de Vasconcelos (JN; 15.09.18) que “contam-se por muitas centenas de milhares os portugueses que atravessaram ilegalmente as fronteiras da Europa, desde o princípio dos anos sessenta até abril de 1974. É por isso com profunda consternação que vemos notícias dos muros que se erguem e das fronteiras que se fecham por essa Europa fora”.
Olhando (outra vez) no nosso tempo: “os refugiados na Grécia querem “seguir para a Europa”, título do Público (15.09.18?
É estranho não é? Não, não é o título, é a realidade que (uma certa) Europa nos vai impondo.
Olhando (mais uma vez) no tempo que corre: “estando o mundo em explosão demográfica porque é que continuamos a dizer que não há crianças? Elas existem, não estão é na Europa”. (Maria João Valente Rosa, E, 15.09.19)

Sem comentários: