sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Deixemo-nos de escritas negras

Destruídos os vínculos sociais, a confiança de que os direitos e contratos serão respeitados, comprometida a convicção de que o poder político faz escolhas para defender a comunidade, como podem os cidadãos reduzidos a mercadorias revoltar-se?
Sandra Monteiro, le Monde diplomatique, junho 2015

Ainda haverá quem acredite no governo de Pedro e Paulo – aquele buldózer destruidor e à beira do fim?
E naquela estapafúrdia “histeria cega” – como lhe chama a Ordem dos médicos – que diz que o atual governo, e mais concretamente o ministério de Paulo Mendo, vai dar (não disse quando, pois não?) “incentivos” aos médicos de família “que aceitem ficar com mais doentes”.
Outubro é o início do fim ou o fim do sonho de viver em Portugal?

Sem comentários: