terça-feira, 18 de agosto de 2015

Cordões de sobrevivência

Há muito que a gestão museológica se transformou em especulação imobiliária.
Jorge Calado, E, 15.07.04
Por essa Europa fora quem quer visitar monumentos de referência paga; ou paga ou fica à porta, fazendo fotos – dirão que selfies, não é?- e nada mais.

Em Guimarães também já era (pouco) assim; agora será, para além de mais oneroso, também um murro na carteira cada vez mais magra. Quem quiser ‘ver’ a torre de menagem do castelo (dizem que fundador da nacionalidade portuguesa) de Guimarães vai ter de pagar uma nota pesada. Não será a ‘nota preta’ dos brasileiros, mas não andará longe.
Quem pensava que havia obras, batalhas ou independências de graça enganou-se.

Sem comentários: