domingo, 2 de novembro de 2014

Palavras e a Palavra

Encher de cor as novas galerias onde costumas expor a tua nudez…
Puseste os pés na rua – de paralelos gelados; ficou fascinada. Loira, alta e de camisa verde…
...um regresso próximo de um beijo; e o cheiro da morte não abandona a memória!

Não fujas do teu olhar. Nunca. Olhar e ser olhado é sempre mais de meio caminho para nos aproximarmos.
Muitas palavras são capazes de alterar destinos e percursos. Aliás, já o fizeram. Com terrível sucesso. A palavra tem a vantagem de criar (todos) os mundos.
Terá sido esta palavra que criou Deus?

Um passeio entre campos confronta-nos com a memória. Com a angústia do momento. Com a ausência. E descobre-se outra realidade: a nossa realidade. Um pouco mais de nós seria uma excelente solução.
Nunca desprezes o outro, mas também não te deixes nunca subordinar.
A realidade é um contratempo da alma.

Sem comentários: