domingo, 17 de agosto de 2014

Longe da terra

no desejo impaciente
de tudo ter
na mão
esqueço o calor do encontro
apago o prazer do abraço
desfaço o nó
da união à terra

no desejo apressado
de tudo ter
na mão
morro. sem viver.

Sem comentários: