domingo, 6 de julho de 2014

Verticalidade que marca


A propósito da reunião do último Conselho de Estado, e para além da sintonia entre o antigo presidente da República, Ramalho Eanes e o secretário-geral do PS, António José Seguro, retenho esta frase (lead do Jornal de Noticias de 14.07.05):

Cavaco teve de deixar cair a expressão “entendimentos interpartidários” do comunicado porque Seguro não gostou”.

Quem fala em coerência e integridade, quem é?
Nunca me cansarei de repetir que é desta verticalidade que penso que se deve fazer a vida pública.

Sem comentários: