domingo, 1 de junho de 2014

rescaldo da deceção

a história começa; vou ao teu encontro. o resto?
um sonho que deu em ombro. a alma; tu
e eu. nós. se saltamos ficamos a comer lama.

não entendo; a verdade que me impões
tenho dois sois! uma casa em chamas
numa vida em cartaz: é licito matar
em nome das diferenças? espetar a faca
pelas costas. com palmadas a rir?

a história repete-se: encontro das crenças
cultura fechada; dias ditos de transição
a andar à roda. espada esperada com ansiedade;
dar conta aos parasitas que desenham a história
recontada em falsas virtudes. agora?

agora eles esmagam tudo!

Sem comentários: