sábado, 7 de junho de 2014

Pobreza na diferença


O dia 25 de maio na Europa não mostrou só que os partidos tradicionais estão esgotados (por desejosos do oportunismo que está muito para além da coisa pública e palco de esfaqueamentos fraticidas) disse – aberta, frontalmente e sem receio das palavras – que a ilusão do silêncio indiferente para saltar para o primeiro poleiro, a que alguns chamam de conveniência política, tem que chegar ao fim.

É verdade que mostrou outra realidade violenta: a Europa estampa-se já a seguir. Sem lideranças, sem ideias e sem capacidade para se libertar dos pesadelos mais tudescos que tudo esmagam.

Será que os oportunistas partidários e prenhes de interesses desaparecem depois?

Sem comentários: