segunda-feira, 5 de maio de 2014

Hospitais e política local

1. Há um “complicadíssimo e de enorme melindre” processo em curso que envolve, desde logo, Domingos Bragança e Paulo Cunha, muitos vimaranenses e um ou outro famalicense.
É um processo que pretende olhar com outros olhos a realidade da saúde no minho. E, obviamente, na cidade-berço.
Pessoalmente não me seduz nada a ideia que se anda a congeminar, não pelo que ela representa em si mesma, mas pelo que pode traduzir em termos de abandono do essencial.

Mesmo assim o que parece saltar aos olhos é que só Guimarães luta pelo que é seu.
Não? O que Paulo Cunha, presidente da câmara de Famalicão, diz não é que “o que conta é a portaria”? Sim a tal portaria que quer matar o hospital de Guimarães.

2. Por que raio o PSD de Guimarães é tão obtuso e teima em atirar areia para os olhos dos vimaranenses fazendo de conta que nada se passa com uma portaria do governo do seu partido?

3. E o CDS?
Infelizmente Orlando Coutinho nunca mais cala Rui Barreira.

1 comentário:

Paula Xavier disse...

Foi na loja que lhe disseram para dizer estas barbaridades?