sábado, 31 de maio de 2014

Assim não II

Joaquim Martins Fernandes escreve no Diário do Minho (14.05.26) que “metade dos desempregados inscritos nos centros de emprego do distrito de Braga deixou de receber qualquer prestação social por conta do desemprego”. Ou seja, “o número de subsídios de desemprego processados pelo centro distrital, no final do primeiro trimestre, corresponde ao valor mais baixo dos últimos 12 meses”, como vinca o jornalista.

Vale a pena pensar nesta realidade. E, muito mais do que pensar, agir sobre esta dor que mata cada vez mais gente em Portugal. E no minho, claro!

Infelizmente os senhores que fizeram isto (e continuam de forma violenta a fazer) continuam por aí. Impunes. Parece que vão continuar, dada a agitação bacoca que outros provocam.

Sem comentários: