segunda-feira, 31 de março de 2014

Um diabo que nos mata

1. Alguém acredita que os jovens portugueses – desempregados, dependentes dos pais, obrigados a emigrar – estarão disponíveis para semear Portugal com filhos? (…) Percebem-se melhor afirmações aparentemente absurdas como a de que “a vida das pessoas não está melhor, mas o país está melhor”. Sobretudo se não tiver pessoas.
Rafael Barbosa, Jornal de Noticias, 14.03.29

2. Como podemos espantar-nos por termos a taxa de natalidade mais baixa da Europa se os pais que têm filhos estão ameaçados de pobreza por os terem?
Miguel Sousa Tavares, Expresso, 14.03.29

No próximo ano de 2060 não estarei por cá. Assumido. Nem quero estar. De forma alguma! E, afinal, “o futuro do nosso país está cada vez mais bloqueado por políticas nacionais e europeias e por práticas de governação mentirosa e manipuladora que aniquila a dignidade, a solidariedade individual e coletiva, que destroem a soberania e a democracia”. (Manuel Carvalho da Silva, Jornal de Noticias, 14.03.29)

Sem comentários: